A CIêNCIA DE DADOS NO COMBATE AO COVID-19

O coronavírus de 2019 (COVID-19) está sendo resolvido com a ajuda da inteligência artificial e da ciência de dados. Vários pesquisadores globais estão colaborando na descoberta científica para implantar e testar rapidamente novas vacinas (com o objetivo de curar completamente o vírus COVID-19), determinar os principais pontos do crescimento da doença e recomendar estratégias com a Organização Mundial da Saúde para quarentena e prevenção de doenças.

As pessoas temem que a epidemia tenha um impacto negativo incalculável na China e na economia global. A China é um ótimo país, com ótimas pessoas, e as imagens mais recentes mostram um clima desolado em todos os lugares.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, em 4 de março de 2020, mais de 3.000 pessoas morreram e aproximadamente 93.100 foram infectadas. Na semana passada, o número diário de mortos chegou a 242, o nível mais alto desde o surto, o que levou à demissão de funcionários em Hubei. Fora da China, apenas o Japão, Hong Kong e as Filipinas registraram o número de mortes.

A Organização Mundial da Saúde declarou o coronavírus uma epidemia global que ameaça a vida das pessoas. A rápida disseminação do coronavírus de uma pessoa para outra torna a doença fatal, e atualmente estima-se que aproximadamente mais de 93.000 pessoas estejam infectadas.

A partir desses números, é óbvio que o mundo realmente precisa de uma solução rápida e segura para combater a propagação desse vírus.

E qual é a melhor solução neste exato momento?

É aqui que as tecnologias como a Inteligência Artificial e o Machine Learning entram em cena.

 A análise mudou a maneira de rastrear e gerenciar surtos de doenças e salvar vidas. Os Centros de Controle de Doenças e Organização Mundial da Saúde usaram a Análise e os BIG DATA no processo de análise otimista dos coronavírus para encontrar soluções duráveis.

O coronavírus (COVD-19) é derivado de uma família de vírus relacionados à síndrome respiratória aguda grave (SARS) e ao resfriado comum. Os pesquisadores disseram que o coronavírus se originou em animais e se espalhou para os seres humanos, e então as pessoas foram infectadas.

Os vírus transportados por animais, como morcegos e cobras, são letais para a saúde humana. Os pesquisadores afirmam que outros animais também contêm diferentes tipos de vírus, mas ainda estão se espalhando para os seres humanos.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, os seguintes são sinais comuns de coronavírus:

  • Problemas respiratórios
  • Tosse excessiva
  • febre alta
  • Problemas respiratórios, como ofegar a respiração

Medidas preventivas:

  • Cobertura de nariz e boca durante o espirro
  • Cozinhar bem os alimentos, como carne
  • Lavar as mãos
  • Evitar o contato com os infectados ou mostrar sinais

A análise de dados e o big data tornaram-se ferramentas poderosas contra surtos de doenças mortais, como coronavírus e SARS.

BlueDot

A Bluedot é uma startup de IA que desenvolveu um sistema inteligente que pode filtrar dados sobre pessoas para determinar a chance de doença. A plataforma de IA da BlueDot é um dos mais recentes avanços tecnológicos que usam a análise de dados para mapear e prevenir doenças.

Curiosamente, a BlueDot previu a pandemia da SARS, que provou ser verdadeira. O surto de SARS tem efeitos devastadores, matando quase 1.000 pessoas. O alerta de surto de vírus corona em dezembro de 2019 é outra evidência que comprova os poderosos recursos da tecnologia de IA. O surto ocorreu após a epidemia em 2 de fevereiro de 2020.

O processamento de linguagem natural (PLN) é uma ferramenta usada pelo BlueDot que pode rastrear com sucesso patologias na detecção de doenças em todo o mundo. Por exemplo, o Blue Dot analisa idiomas humanos em todo o mundo e usa essas informações para ajudá-los a prever surtos de doenças.

O aprendizado de máquina é outra tecnologia usada pela Bluedot, cujos algoritmos fornecem informações atualizadas sobre possíveis doenças. 

Insilico Medicine

A Insilico Medicine é outra startup que se concentra no uso de técnicas analíticas para prevenir doenças. A Insilico Medicine está sediada em Maryland, EUA, e atualmente está desenvolvendo tecnologia para informar os médicos sobre moléculas anti-coronavírus.

O sistema de IA da Insilico Medicine é rápido, preciso e, recentemente, pode analisar moléculas e fornecer feedback sobre as moléculas apropriadas para combater o coronavírus.

A startup está atualmente desenvolvendo um banco de dados de informações moleculares que os pesquisadores médicos podem usar em seus projetos e até mesmo combater surtos mortais de doenças (incluindo coronavírus).

Harvard

A Harvard Medical School dedica-se a encontrar soluções de coronavírus por meio da tecnologia de aprendizado de máquina para revisar dados e informações de várias fontes, incluindo registros de pacientes, mídias sociais e dados de saúde pública.

Graças ao uso de ferramentas de processamento de linguagem natural, os pesquisadores da Harvard Medical School podem pesquisar online informações sobre coronavírus e entender a localização atual do surto. Por exemplo, o PLN ajuda a distinguir entre aqueles que se queixam de sintomas de coronavírus e aqueles que discutem sobre a doença, mas não são afetados.

Universidade de Southampton

A Universidade de Southampton também está usando a tecnologia da IA ​​para estudar o atual surto de coronavírus e modelar os dados do mecanismo de pesquisa sobre o surto.

Os pesquisadores acreditam que a tecnologia de inteligência artificial pode ajudá-los a entender como o coronavírus Wuhan se move para outras partes da China e do resto do mundo. Essas tecnologias de aprendizado de máquina e IA ajudaram os pesquisadores a prever o vírus, sua estrutura e método de propagação.

Portanto, isso ajudará os profissionais de saúde a entender as soluções necessárias para combater a propagação do vírus.

John Hopkins: Tecnologia de Sistemas de Informação Geográfica

A Johns Hopkins University é líder do setor nesse campo, e a tecnologia GIS se tornou uma ferramenta importante para impedir a propagação do coronavírus. Por exemplo, a instituição possui um painel que exibe todos os casos de coronavírus em todo o mundo, como mostra a figura a seguir:

Como as informações são usadas para detectar áreas em que as pessoas falam sobre doenças, a mineração de dados é essencial para a operação da tecnologia GIS.

Os sites de mídia social são uma boa fonte de informação para o GIS porque a tecnologia pode mapear as áreas de preocupação com as quais as pessoas falam sobre os coronavírus. Portanto, medidas preventivas podem ser implementadas porque esses mapas de calor podem rastrear melhor a localização e a propagação da doença.

Dez anos atrás, era praticamente impossível rastrear a doença. Hoje, com IA, aprendizado de máquina e SIG, informações sobre extração e extração de dados se tornaram mais fáceis e mais poderosas na busca de vírus.

Publicado por

Átila Gonçalves

Aquele Baiano arretado. Estudante de Sistemas de Informação, Graduado em Redes de Computadores. Atualmente me qualificando para ingressar no ramo da Ciência de Dados, Segurança da Informação e Desenvolvedor Full Stack. Gosto de filmes e séries e sou apaixonado por futebol.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.